14 de jul de 2016

Velozes e Antigos - De Tomaso Mangusta

Década de 60 na Europa. Época fértil para as produções automotivas e que gerou verdadeiras obras de arte que hoje estão presentes nas melhores exposições de carros clássicos ao redor do mundo.
Um jovem piloto argentino vindo de uma rica família criadora de gado chega à Itália fugindo da perseguição ditatorial de Juan Peron e logo se destaca como mecânico da Maserati, chegando posteriormente a ser piloto de corridas da marca. A paixão pelas pistas leva o jovem à sua futura esposa, uma americana que também pilotava. Alguns anos depois o jovem cria sua própria companhia em Modena e como tradição nesse ramo leva seu sobrenome: De Tomaso. Lembra da família criadora de gado? Além de fornecer investimento para a nova empreitada de Alejandro De Tomaso ela também inspirou o símbolo da marca com o ferrete que era usado na marcação do gado da família. Tal ferrete em forma de T sob o fundo azul e branco da bandeira argentina originou o símbolo que nós conhecemos.

História interessante, não? Bem, talvez não tão quanto esse exemplar da foto, o primeiro modelo de rua que saiu daquela promissora companhia de Modena. Produzido artesanalmente de 1967 a 1971, o Mangusta era um legítimo coupé esportivo idealizado por um argentino e que possuía uma boa mistura de requinte italiano com mecânica americana. Ele teve 401 unidades produzidas (150 destinadas à Europa e 250 aos Estados Unidos), foi o sucessor do Vallelunga (um carro de corrida que usava motor Ford 4 cilindros) e o antecessor do lendário Pantera, o carro que definitivamente colocou o nome De Tomaso na história.
.
"Definitivamente" porque o Mangusta também fez bonito e se destacou como um carro à frente de sua época, tendo como itens de série freios a disco nas 4 rodas, suspensão independente nos 4 cantos, ar condicionado, vidros elétricos e um design no mínimo exótico.

As tampas traseiras que abrigavam o motor e o compartimento de bagagem, por exemplo, eram do tipo Asa de Gaivota, criação de um jovem designer do estúdio Ghia chamado Giorgeto Giugiaro. Isso sem falar do interior muito bem desenhado, que usava couro da melhor qualidade disponível na época e que possuía a tradicional caixa de câmbio do tipo grelha. Detalhe que tais "asas traseiras" e o teto eram de alumínio, sendo que o restante da carroceria era de aço.

O Mangusta teve ao longo de sua história 3 motores. Os modelos destinados à Europa possuíam um V8 Ford 289 com 302 hp e 55.7 kgfm, os modelos destinados à "Terra do Tio Sam" possuíam um V8 Ford 302 com 230 hp e 42 kgfm e um único exemplar feito à pedido do então presidente da GM, Bill Mitchell, tinha um V8 Chevrolet 350. A caixa de câmbio em todos era manual de 5 velocidades fornecida pela ZF, a mesma usada no GT40! Some isso tudo com a tração traseira e com uma carroceria larga e muito baixa e o resultado é uma experiência de direção sensacional. Entretanto, ela seria mais interessante se a rigidez do chassi fosse maior, caracterizando o mais marcante ponto fraco do Mangusta.

Agora uma curiosidade: o nome Mangusta vinha do italiano "Mongoose" e remetia a um animal predador de cobras. Agora pense no símbolo da Shelby... ( ͡° ͜ʖ ͡° ) A mais provável explicação é que De Tomaso queria trabalhar em conjunto com Caroll Shelby e produzir em sua fábrica em Modena um sucessor para o Shelby Cobra, mas o texano não gostou muito da ideia e foi trabalhar com a Ford no projeto do Ford GT 40. Pérolas automotivas... Fotogramos esse Mangusta no mês passado em Araxá, durante a 22ª Edição do Brazil Classics Show. Esse exemplar foi importado para o Brasil com uma baixíssima milhagem e carregando um bom histórico de prêmios em concursos de clássicos. Curiosamente a cor original desse exemplar é marrom e provavelmente ele é o único em solo brasileiro. Sem dúvidas, é um dos modelos mais interessantes que já passaram aqui no Velozes!


Ficha técnica:
🔧 Motor: central | V8 | 302 pol³ (4942 cm³) | carburador Motorcraft de corpo quádruplo
📈 Potência bruta (SAE): 230 hp a 4800 rpm
📉 Torque bruto: 42 kgfm a 2800 rpm
🔨 Taxa de compressão: 9.85:1
💪 Câmbio: manual de 5 velocidades | tração traseira
💨 0 a 100 km/h (aprox.): 6.8 s
🚦 0 a 400 m. (aprox.): 15 s a 149 km/h
🏁 Velocidade máxima (aprox.): 250 km/h
📏 Carroceria (mm): Comprimento -> 4275 | Largura -> 1830 | Entre-eixos -> 2500 | Altura -> 1100
🔩 Peso (aprox.): 1185 kg
↕ Suspensão: independente nos 4 cantos
📊 Freios: a disco nas 4 rodas
🚗 Pneus: dianteiros -> 185 R15 | traseiros -> 225 R15

Fonte: https://www.instagram.com/velozes_antigosbr/

0 comentários:

Postar um comentário