6 de jul de 2015

Pensata

Alguns motoristas adoram ter um carro diferente, que apareça na multidão. E fazem de tudo para se destacar, seja pela decoração esportiva, pelos acessórios que personalizam, pelo som com centenas de decibéis...


Neste cenário surgiram também os utilitários-esportivos de mentirinha, aqueles SUVs que só fazem de conta ter aptidão para enfrentar barro ou lama no off-road. Nem pensar em sair do asfalto pois não dão conta de vencer nenhum obstáculo na terra, por mais simples que seja. Além dos utilitários de mentirinha, tem também os esportivos de mentira. Alguns lançados pela própria fábrica, outros travestidos nas lojas de acessórios e oficinas mecânicas.

Os falsos esportivos carregam uma pilha de acessórios que sugerem ação, emoção, velocidade, desempenho. Mas fica tudo na sugestão mesmo, só componentes plásticos na base do “m’ingana que eu gosto”. Decoração nota 10, mas motor mesmo que é bom, nada. É penduricalho para todo lado, fruto da fantasia e do sonho de ter uma Ferrari, um Porsche, e ai surge o indefectível spoiler lá na a dianteira, sob o para-choque e o aerofólio na traseira, como prolongamento do teto (hatch) ou sobre a tampa do porta-malas (sedã). Mas performance mesmo, nada adicional em relação ao modelo básico. Sempre a título de melhorar a aerodinâmica, fazem lembrar mesmo acessórios semelhantes usados nos carros de competição. Não há dúvida de que o aerofólio (ou asa) contribui aerodinamicamente para a estabilidade do carro, pois utiliza o fluxo do ar para forçar as rodas traseiras contra o piso e melhorar a aderência. Vários esportivos costumam ter este aerofólio embutido na tampa traseira e, quando ultrapassam a velocidade de 110 ou 120 km por hora, ele se levanta eletricamente.

Vem então a pergunta: se esportivos e carros de competição usam a asa traseira, ela não ajuda também no nosso carro do dia a dia? Mas a resposta é: depende! Se o automóvel de uso diário é uma Ferrari, Porsche ou similar, o aerofólio pode influir positivamente na aerodinâmica. Mas, é sempre mais usual ver este equipamento na traseira de bem comportados compactos ou sedãs que mal chegam aos 110 km por hora. Na minha opinião, este aerofólio, no carro de baixa performance e de uso urbano, só serve mesmo para apoiar o talão na hora de preencher o cheque no posto...

Texto original de Boris Feldman
 http://www.hojeemdia.com.br/m-blogs/boris-feldman-1.290493/aerof%C3%B3lio-%C3%B3timo-para-preencher-o-cheque-1.330029

0 comentários:

Postar um comentário