1 de jun de 2015

Pensata


Prepare seu coração (ou outro órgão menos nobre), hoje o tio vai contar um monte de histórias. Algumas legais, outras meio chatinhas. Vamos lá!

Outro dia um amigo me pergunta preocupado: “meu carro já está com quase 40 mil km rodados. Você acha que devo trocar?”
O carro do cara está ótimo, nada para fazer, roda como 0-km, nunca levou um risco na pintura… o famoso “filé”. Se fosse para dar conselho, eu daria para o carro: “caí fora, arruma um dono melhor que esse cara é um bunda-mole”.
Mas esta síndrome de “quilometragem” é bem difundido, bem brasileiro. “Acho que vai começar a dar trabalho” e compra um carro novinho, se enterrando em prestações. Vale a pena?

Vamos para algumas historinhas da vida real.

Uns 10 anos atrás comprei um Gol 1,8, ainda dos quadrados, com uns 120 mil km rodados. Nota fiscal, manual, chave-reserva na mão e o cara ainda me vendeu barato pois “ninguém quer carro com mais de 100 mil km”. O Golzinho tinha um dono cuidadoso, manutenção em dia e, o principal, era um “carro de estrada”. As marcas de pedrinhas na frente e no capô denunciavam isso, assim como a história que o ex-dono contava. Ele morava na beirada da rodovia Castello Branco, em São Paulo, e viajava cerca de 200 km por dia, indo e voltando do trabalho em uma cidade distante 100 km de onde ele morava. Ou seja, pelo menos 4.000 km por mês, 48.000 km por ano, rodando a mais de 100 km/h com o motor tranqüilo. Claro, comprei o Golzinho.

Golzinho “de estrada”: embreagem trocado aos 150 mil km rodados

Na revisão, nada foi feito, está tudo em ordem. Lá pelos 150 mil km rodados, o pedal de embreagem ficou muito duro, queria começar a patinar e foi trocado o kit (platô, disco e rolamento). Com uns 200 mil km, quando se tirava o pé do acelerador, pelo retrovisor ser via uma leve fumaceada. Retiramos e fizemos o cabeçote. Só o cabeçote, que geralmente gasta mais rapidamente que a parte “de baixo” do motor (virabrequim, bronzinas, pistões e anéis). Foram trocadas guias, válvulas de escape e aplainado o cabeçote. Rodei mais uns 30/40 mil km antes de vender, e o Golzinho (1.8) não fumava, não batia e não dava trabalho. De resto, durante estes mais de 100 mil km que usei o Golzinho, só manutenção de rotina: óleo, correias, velas, algumas borrachas de suspensão, pastilhas e lonas, lâmpadas, palhetas do limpador… bobagens e nada mais. Quando vendi, até os amortecedores continuavam originais. Grande segredo: “carro de estrada” e bem cuidado.

Historinha inversa: alguns anos atrás, um amigo descobriu uma “jóia”, um Honda Civic hatch, 1994, um pequeno quase-clássico. Única dona, uma velhinha que “só ia ao supermercado com o carrinho”, com algo como 50 mil km rodados.

Trânsito desgasta mais: motor funciona muito e se roda pouca distância

Claro que fomos ver. Um dos piores carros que vi na vida. O depoimento da velhinha parecia honesto: está tudo original, nunca foi repintado. O carro fumaceava (acho que o óleo era original também), tinha pequenas pancadas em todos os lugares (inclusive teto, onde ela apoiava as compras) e o interior, destruído, cheirava azedo. Algum ferro-velho deve ter levado por uns R$ 500.

Estas duas histórias só provam um ponto: quilometragem é muito relativa e julgar um carro pelo que ele rodou é, no mínimo, um julgamento parcial e meio burrinho.

Vamos analisar alguns fatos. Lembram que o Meccia disse aqui mesmo no Ae que os fabricantes consideram 5.000 horas como a vida média de um motor? Quase todo mundo achou pouco e concordo. Mas vamos brincar com esse número. Primeiro, ninguém falou em quilômetros, mas sim em horas trabalhadas.

Na estrada se faz maior quilometragem com menor desgaste de componentes

O Golzinho, rodando sempre por uma boa estrada, mesmo com engarrafamentos e pequenos trechos urbanos, provavelmente mantinha uma média de 80 km/h ao longo dos anos. Resultado: para rodar 120 mil km, seu motor trabalhou apenas 1.500 horas, menos de um terço de sua “vida útil programada”.

Já o Civic da velhinha, rodando sempre em uma cidade grande como São Paulo, tinha no máximo 20 km/h como velocidade média. Contas: para rodar os 50 mil km, o motor do Honda trabalhou 2.500 horas, metade da vida útil teórica, e 1.000 horas mais que o Golzinho.

Pior, o “carro da velhinha” sempre trabalhou nas piores condições: motor em fase de aquecimento (gordo, com excesso de combustível) e quando chegava na temperatura ideal, o carro parava: ela tinha chegado no supermercado ou na casa da neta. Freios e suspensões sempre muito solicitados no anda-e-pára da cidade. O escapamento raramente conseguia expulsar a umidade acumulada, pois cada período de funcionamento era insuficiente para aquecê-lo por inteiro. O estofamento já estava desgastado e destruído, principalmente o banco do motorista, de tanto entra-e-sai, sempre para fazer deslocamentos curtos de apenas alguns minutos.

Até o escapamento oxida mais quando se faz pequenos percursos urbanos

Ao contrário, o Golzinho quase sempre trabalhava em condições mais próximas do ideal, com o motor aquecido, menor rotação para maior velocidade (em última marcha), sobra de refrigeração, freios e suspensões pouquíssimos exigidos, motor com baixa carbonização por rodar em rotações mais constantes e por aí vai. Até a embreagem dura mais, pois tanto se arranca menos, que é o que mais a gasta, quanto se troca muito menos marchas na estrada do que na cidade. Bateria também vai ter maior vida longa, pois sua carga quase sempre é máxima em “carros de estrada”. Em um pequeno deslocamento urbano, de 5 ou 10 minutos, geralmente o alternador nem consegue repor a energia usada para primeira partida matinal.

Conclusão das historietas: vai comprar um carro, esqueça a quilometragem e julgue o carro como um todo. Existem carros que, se voltarem o velocímetro uns 100 mil km, dificilmente isso vai ser percebido. E existem outros que, mesmo com baixa quilometragem real, parecem que rodaram muito mais.

O estado de um carro usado depende de vários fatores, desde o tipo de uso, quem usa, manutenção que recebe, dorme na garagem, além de, claro, a qualidade construtiva do fabricante para aquele modelo.

E não se iluda, mesmo com os produtos atuais sendo considerados como “carrinhos de plástico” por dinossauros como eu, tudo evoluiu. Não só a qualidade da maioria dos materiais, como também de pneus, lubrificantes e até dos próprios plásticos e tecidos dos bancos. Ou seja, bem cuidado, praticamente qualquer carro atual pode rodar mais de 200 mil km se for bem dirigido e não levar grandes pancadas.

Tem algum “porém”? Claro que tem: os carros atuais, independente da vida útil dos componentes mecânicos, vão morrer pela eletrônica. Os sistemas estão cada vez mais complexos, evoluem com enorme rapidez, o que atrapalha e encarece a manutenção e reposição desta eletrônica toda.

Pequeno exemplo. Um amigo meu foi transferido para Miami (a melhor cidade ao Norte do Brasil) e resolveu comprar um Jaguar, seu sonho de infância. Rodou uns 2.000 km, pegou um chuvão e uma inundação. Desligou o carro (para que o motor não chupasse água e tivesse um calço hidráulico) e na hora de descer do carro entrou um pouco de água. Chamou o seguro, que guinchou o Jaguar. Dias depois, o seguro liga e pede sua conta bancária. “Como assim?” “Deu Perda Total, molharam os módulos eletrônicos que ficam embaixo do banco traseiro”. O custo dos módulos, e nos Estados Unidos, era maior que o valor do carro.

Quanto vale um Mercedes sem os módulos eletrônicos que controlam tudo?

Como hoje virei contador de histórias, vai mais uma. Um conhecido, pouco experiente, mas metido a entendido de carro, comprou um Mercedes CLK, um conversível maravilhoso, num leilão de uma financeira. Levou mecânico, tão tontão quanto ele, olharam o carro e acharam que estava tudo bem. O carro não podia ser funcionado, regras da casa, e o mecânico teve até o cuidado de virar o motor para ver se não está “trancado”. Pagou bem baixo, algo como uns R$ 30 mil, e o carro foi de caminhão plataforma para a oficina. Colocaram bateria, viraram a chave e … nada. Nenhuma luz se acendeu no painel. Vira e procura e descobriram: todos os módulos de gerenciamento eletrônico “da Merça” tinham sido roubados. Orçamento: uns US$ 20 mil e nos Estados Unidos. Fora custos de importação ou de “importabando”. Desespero total do dono, vontade de sentar na calçada e chorar.

Dias depois, toca o celular, número desconhecido: “Você comprou um Mercedes assim, assim? Pois é, o ex-dono me devia uma grana e me deu todos os módulos dele em pagamento. Quero R$ 15 mil.” O cara pagou, se deu por feliz e nunca mais foi num leilão. Nem de caridade.

Quer comprar bem um carro usadinho? Se você não for uma prostituta idosa em matéria de graxa, não cresceu numa oficina lavando peças ou algo assim, consiga um mecânico bom. Bom, dos bem chatos e com um ouvido de cachorro caçador. Daqueles que escuta seu carro chegando e, sem abrir o capô, já vai sentenciando: os rolamentos do alternador não vão muito longe, estão começando a chiar. Leve ele junto para ver o carro, pague o almoço, dê tapinhas nas costas e mande “recomendações à patroa”.

Só para completar, qualidade e durabilidade se analisa nas vilas, na periferia das grandes cidades. Nunca em ruas chiques ou shoppings badalados, cheio de carros novos. Quando você vê um monte de Santana, Gol, Monza, Escort CHT, Uno (e alguns poucos mais), todos com mais de 20 ou 30 anos, sempre beirando o meio milhão de quilômetros rodados, aí se está comprovando qualidade e durabilidade. Mesmo fumaceando, rodas tortas, pintura queimada, eles estão lá, cumprindo seu papel de transportar pessoas. Por outro lado, observe os carros dos anos 1980/90 que já sumiram. Alguns, literalmente viraram cinza.

Testes de carros novos mostram projeto, acabamento, conforto… um monte de coisas. Mas não se tem a mais vaga idéia de qualidade e durabilidade ao longo do tempo.

JAC oferece carros usados para jornalistas testarem: experiência pioneira

Nota do Tio que gosta de caco velho: Enquanto cometia este post, encontrei-me socialmente com o Eduardo Pincigher, hoje diretor de comunicação da JAC. Orgulho deste ex-aluno, que trabalhou comigo na revista Oficina Mecânica: ele está propondo que os jornalistas especializados façam testes com os chineses usados, os JAC que entraram como parte de pagamento de carros novos. Alguns com os temidos 100 mil km. Vai ser uma ótima experiência para vários “coleguinhas”, principalmente a turma que gosta de analisar folgas de painel, luzinhas de cortesia e outras babaquices, a turma do “bloco que impulsiona o carro” ou do “câmbio que comanda o motor”. Boa, Edu! Brilhante idéia e ótima surpresa: pensamos a mesma coisa, ao mesmo tempo, sem que a gente tenha se falado.

JS

texto retirado do http://autoentusiastas.com.br/2015/06/carros-com-100-mil-km-quem-tem-medo/

0 comentários:

Postar um comentário