27 de jun de 2013

O "curral" mineiro

Minas Gerais é famosa mundialmente pelo seu potencial agropecuário e por uma boa parte dos melhores bovinos do Brasil. Mas não é só na parte "animal" que temos um excelente rebanho, também somos o "curral" de belíssimos touros oriundos de outro continente, a Europa para ser mais especifico.

Quando Ferruccio Lamborghini decidiu fundar a sua própria fabrica de automóveis de alto desempenho ele dispunha de um bom capital e muita imaginação. Ferruccio era um fazendeiro descendente de uma família de toureiros - esporte muito comum na Itália, e dessa junção saiu o simbolo da marca - o touro estilizado - e também o nome de muitos modelos da fabricante; Miura, Murcielago, Gallardo, entre outros foram alguns dos touros que amedrontavam a todos durante as touradas.

Com a globalização a especie Lamborghini espalhou-se pelo mundo e alguns membros chegaram em nosso estado. Atualmente contamos com quase todas as raças já fabricadas, além das mutações sofridas durante o processo natural de evolução.

Vamos, então, citar e colocar nome aos "bois". Começamos com o Lamborghini Espada. Nascido em 1968 com um coração V12 de 4 litros e 330 cavalos, o Espada tinha como principal diferencial o espaço para 4 ocupantes em um superesportivo de verdade. Com uma população total de 1.217 unidades, o touro é bem raro na Amarica Latina, estima-se que existam menos de 5 membros da raça no Brasil.


Nascido um ano antes do Espada, o Miura foi um marco na "genética" dos superesportivos mundiais. Como primeiro carro a usar um "coração" montado no centro do chassis o touro logo conquistou o titulo de carro mais rápido da sua época. Inicialmente o Miura era equipado com um motor V12 de 4 litros que gerava 350 cavalos, mas logo houve uma pequena evolução e um novo touro surgiu, agora com o nome de Miura S. O novo "animal" contava praticamente com o mesmo corpo e músculos do antigo porém com cerca de 20 cavalos a mais e muito mais conforto e beleza. Com apenas 140 unidades produzidas, o Miura S é um dos Lamborghinis mais raros e temos a sorte de contar com 2 modelos em BH e outros 2 espalhados pelo Brasil.

Continuando com os touros de corações V12 a Lamborghini lançou em 1990 o Diablo. O poderoso motor gerava quase 500 cavalos e manteve sua posição no centro do carro, evolução herdada do Miura. Assim como os demais o Diablo teve algumas evoluções e mutações, de versões mais atualizadas e mitica versão topo de linha chamada de SV - Super-Veloce. A Diablo foi a primeira a utilizar o sistema de tração integral, na "mutação" VT, que rendeu um desempenho acima da media entre seus concorrentes diretos. Em BH temos um representante da bela raça e da primeira geração do touro.

Após um longo período produzindo somente bólidos com motor V12 a Lamborghini lançou um novo modelo chamado Gallardo. A nova "raça" tinha como principal diferença o motor V10 e impressionantes 520 cavalos, tudo isso num modelo que foi pensando para ser o de entrada da marca italiana. Como os outros membros da especie o Gallardo logo teve uma boa evolução, chegando a ter uma versão de competição com 570 cavalos e um visual muito agressivo - que foi batizado de Gallardo LP570 Superleggera. O grande destaque do "pequeno" touro foi a adoção do sistema de tração integral, onde as 4 "patas" transmitem toda a força para o chão. Em Belo Horizonte podemos encontrar varias "mutações" do Gallardo; LP520-4 e LP560-4 conversíveis, coupés e edições limitadas como a Bicolore (atualmente em Itaúna). Existem rumores sobre a versão mais nervosa, mas há muito tempo não temos registros da mesma.

Com a extinção do Diablo a Lamborghini logo lançou o Murcielago, uma nova raça totalmente modernizada e com todos os pontos positivos oriundos das décadas de evoluções dos antepassados. O coração continua sendo um V12 montado no centro do touro, mas agora são 580 cavalos (versão LP620-4) ou 640 cavalos (versão LP640-4). A tração integral continua equipando o modelo e agora a velocidade máxima é de 342 km/h e 0 a 100 km/h em 3,2 segundos (na versão LP640-4). A "Murci" também teve algumas variações das quais a que mais merece destaque foi a SV. Temos uma representante dessa raça em BH, a Lamborghini Murcielago LP640-4 na belíssima cor Rosso Vick.

Para os "toureiros" com muita coragem e habilidade existe a possibilidade de encarar o touro mais traiçoeiro já nascido em Sant’Agata Bolognese, o Murcialago SuperVeloce. O "SV" é uma versão mais que preparada do Murcielago e projetado geneticamente para obter os melhores tempos possíveis em pistas mas com toda a segurança para transitar pelas ruas comuns. Com uma dose de "hormônios" foi possível extrair 30 cavalos a mais e reduzir cerca de 100 quilos de "massa gorda". Em números o SV faz de 0 a 100 em apenas 3,2 segundos e chega a máxima de 340 km/h, sempre com uma gigantesca asa traseira gerando toneladas de downforce ao touro. O Murcielago SuperVeloce foi o último dos "bovinos" a ter uma alma assassina, como dizia Jeremy Clarkson - "esse carro quer sempre te matar!!". Recentemente Belo Horizonte tornou-se o celeiro do único representante da raça "Murci" SV na America Latina. Existem um total de 350 membros da raça espelhados pelo mundo

Chegando ao ápice evolutivo da historia da Lamborghini, até o momento, e encontramos com o Aventador, um "touro" que veio do futuro. Com uma aparência totalmente distinta de seus antepassados e um novo coração V12 o "Aventa" chegou destruindo todos os recordes e impondo medo em todos que ousavam combatê-lo. São 700 cavalos despejados pelas 4 "patas" e que levam o furioso touro aos 100 km/h em apenas 2,9 segundos e uma máxima de 350 km/h. Diferente da linhagem "SV", a Aventador não tenta matar seu domador durante todo o tempo, mas não ouse a abusar deste touro ele muda de temperamento em mile segundos e pode causar muito estrago. Em Minas Gerais temos apenas 1 representante da raça Aventador até o momento, ele "reside" na cidade de Itaúna e não é visto com muita facilidade.

Esperamos aumentar o "rebanho" com mais algumas unidades ainda este ano além de manter os touros que já habitam a nossa região. Caso tenha informação de algum outro "animal" que não foi catalogado deixe sua informação nos comentários que iremos apurar sobre o mesmo.

10 comentários:

  1. Galera, em primeiro lugar, muito bom o post, mas vcs esqueceram do 400 GT 2+2 amarelo.

    ResponderExcluir
  2. Aventador tem aqui em Cascavel Paraná também...

    ResponderExcluir
  3. Itauna MG . Acho que é a menor cidade do Brasil com mais carros desse tipo ! Tem demais !

    ResponderExcluir
  4. Tirei em Alphaville - SP no Shopping Tamboré no sábado quando estava indo almoçar.
    Pra facilitar, o carro vermelho é uma Ferrari e o Laranja é um Pagani Zonda

    http://www.imagebam.com/image/cf0719263499492

    Meu vizinho tem 2 Lamborghinis, por aqui isso é comum.

    ResponderExcluir
  5. Trabalhe em casa! caso tenha interesse entre em contato comigo no email: thiago_geudy@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. Eremes, não temos registro da Countach em Minas Gerais, ainda!
    Yujilive; Lamborghinis nunca vão ser "comuns", sempre chamam a atenção por onde passam

    ResponderExcluir
  7. Yujilive o carro laranja é uma McLaren MP4, o zonda é bem diferente

    ResponderExcluir
  8. Realmente, é uma Mclaren mesmo...mas há um Zonda em Alphaville, digo isso por que já vi ele em um posto e é laranja também.

    ResponderExcluir
  9. Diogo, se eu não me engano tem uma Performante amarela aqui em Minas!

    ResponderExcluir