23 de nov de 2012

Velocidade segura, uma questão de referencial

A industria automobilística vem evoluindo a cada ano e a uma velocidade surpreendente. Na década de 40 atingir velocidades próximas de 100 km/h era praticamente impensável em carros de rua, salvo algumas exceções. Com o avanço da tecnologia logo surgiram leis para um uso consciente e seguro dos carros, mas muitas destas "regras" são baseadas em veículos de décadas passadas - onde ainda não havia auxilio da eletrônica.
Grande parte das rodovias, privatizadas e em bom estado, tem um limite de velocidade de 110 a 120 km/h, velocidade considerada segura por especialistas. Realmente, quando você esta ao volante de um carro popular brasileiro, um dos mais arcaicos do mundo, chegar aos 100 km/h parece algo bem arriscado. Atingir o limite em rodovias com tais modelos é possível mas prepara-se para grandes emoções e sustos.

Por outro lado, carros com uma melhor fabricação e qualidade, como os Europeus, conseguem transitar a velocidades bem superiores aos limites impostos e com uma segurança bem maior que nossos populares em velocidades inferiores as permitidas. Infelizmente as leis são feitas para a grande maioria e os carros populares são os "donos" de nossas ruas, fazendo com que os carros "melhores" tenham que obedecer limites ridículos.

Muitas pessoas ficam espantadas quando comento que já dirigi alguns carros acima dos 200 km/h e me senti mais seguro do que ao volante de um uno a 110 km/h. Tal sensação deve-se a segurança repassada pelo bólido que você "pilota", freios condizentes, sistemas eletrônicos auxiliares, motores com boas respostas, suspensões adequadas (para o asfalto brasileiro isto é quase impossível) e uma série de outros aspectos que deveriam ser aplicados a todos os carros.

No Brasil existem boas estradas nas quais os limites de velocidade podem ser retirados, como foi feito na Alemanha nas Autobahns. Muitos devem pensar que isso não vai dar certo, mas na Alemanha funciona perfeitamente e até houve uma redução no número de acidentes. Para que tal sistema funcione perfeitamente os motoristas devem ser bem instruídos e terem a noção da capacidade de seus carros.

Não sou a favor da "extinção" das leis de trânsito, mas sim uma revisão das mesmas e uma diferenciação de limites de acordo com os modelos dos veículos. Já temos algo próximo a isto quando tratamos de carros x caminhões x ônibus em vias decentes - onde cada um tem um limite de velocidade diferente. Infelizmente a mudança pode gerar prejuízo para o governo, afinal o seu lucro com a industria das multas vai ser reduzido drasticamente.

Antes de sair acelerando por ai, conheça bem seu carro e seus limites e sempre dirija pensando nas barbeiragens prováveis dos motoristas ao seu redor. 

0 comentários:

Postar um comentário