30 de nov de 2012

Características de Cada Continente

Apesar de praticamente todos os continentes já terem suas grandes montadoras atendendo a todo o mundo, existem 3 "regiões" que ainda mechem com o imaginário, e o bolso, de qualquer entusiasta automotivo; Estados Unidos, Europa (Alemanha, Itália e Inglaterra) e uma parte do continente Asiático. 
Responsáveis pela produção da maioria dos superesportivos e dos modelos mais apimentados do mundo, as marcas, destas regiões, conseguem construir uma identidade própria para suas versões exclusivas. A diferença na dinâmica dos bólidos é tamanha que existem grandes debates sobre qual país tem o melhor veículo. Não vamos entrar em conflitos - por enquanto - vamos apenas citar os pontos positivos e negativos de cada região.

Estados Unidos - A famosa terra dos Muscle Cars e responsável pela criação da corrida de arrancada tem representantes que dão muita dor de cabeça aos concorrentes. Com a imagem de carros pesados, ruins de curvas e beberrões, os bólidos ainda conseguem uma imagem positiva devido a sua aceleração brutal, torque gigantesco, carros ideais para belos burnouts e, geralmente, bem chamativos.

Geralmente esquipados com motores V8 com blocos do tamanho de um Ford Ka e largos pneus na traseira para tentar sair do lugar sem deixar um buraco no asfalto, os esportivos ainda sofrem com o estilo americano - porta copos, bancos que parecem sofás, consumo fora do real, a falta de opções com câmbio manual, peso final do carro acima da média. Felizmente alguns aspectos estão sofrendo mudanças para melhor, o novo Dodge Viper, apesar de receber uma grande quantidade de eletrônica, ficou melhor que o seu antecessor, assim como o Corvette - que ainda nem teve o projeto concluído, mas já é um nome de peso.

Inglaterra - Praticamente todos vão logo pensar na Aston Martin, Jaguar ou a Mini, montadoras tradicionais e que merecem destaque. Além das duas também podemos mencionar a Lotus com seus carros de pistas voltados para as ruas. O DNA dos ingleses tem muitos aspectos das competições, carros leves, pequenos, motores compactos e suspensões bem preparadas para a finalidade.

Como ponto negativo temos a eletrônica - não as suas funções, mas sim a interface usada para o motorista alterar os parâmetros. Chega a ser irritante o tanto de botões e menus existentes nos consoles, muitos deles com funções que nem o proprietário tem noção. Apesar disto os carros da terra da rainha tem uma grande legião da fãs que adoram a tração traseira, entre eixos curto, espaço para quem vai ao volante minusculo e seu desenho mesclando o clássico com o moderno. Bons exemplos que podemos citar; Aston Martin DBS, Jaguar XK-R e Lotus Elise.

Itália - Terra dos quadrúpedes mais desejados do mundo, Ferrari - o cavalinho rampante, e Lamborghini - o touro bufante. Além das 2 rivais temos também a Maserati que pertence a Ferrari, mas produz carros com um nível de conforto acima da sua "dona". Os italianos tem a fama de possuírem a mecânica mais complicada em todos os esportivos, mas o belíssimo design consegue amenizar - um pouco - tais problemas.

Carros com desempenho digno de competições de elite, beleza acima do normal, uma grande variação de configurações e um urro semelhante a um F1 são as características principais dos italianos. Por outro lados eles sofrem com o pouco espaço no interior da cabine, baixa altura do solo, problemas mecânicos - já é normal ver um exemplar em chamas pelo mundo e a supervalorização dos modelos. Bons exemplos são a Lamborghini Aventador, Ferrari 430 Scuderia, Maserati Gran Turismo.

Alemanha - Reduto da tecnologia europeia e sede das grandes montadoras mundiais especializadas em sedãs endiabrados. Mercedes Benz, Audi, BMW e a Porsche brigam diariamente para saber quem tem o carro mais rápido nas Autobahns - as autoestradas sem limite de velocidade. A velocidade máxima e o conforto são os principais objetivos na região, lembrando que 90% dos carros é possível levar mais 3 pessoas com o motorista.

Equipados com motores V8 ou V10, na maioria dos casos, os alemães ainda contam com a engenharia da Porsche e seus incríveis motores Boxers que deixam muitos V12 comendo poeira. A confiabilidade mecânica é o grande chamariz para os clientes, por outro lado os carros tem um desenho bem apagado, quando comparado aos concorrentes de outras nacionalidades. Bons exemplos de bólidos alemães : BMW M5, Mercedes Benz SLS 63 AMG, Posche 911 Turbo S, Audi R8.

Ásia - Tecnologia de ponta, carros pequenos, motores minúsculos e muitas saliências por toda a carroceria, uma boa definição dos carros da região - lembrando que o Drift surgiu nesta parte do mundo. Empresas como a Nissan, Subaru, Mitsubishi e Toyota são responsáveis pela busca incansável do downsizing - tendencia mundia na redução dos motores e a adoção de turbos para um melhor desempenho e menor consumo.

A grande variedade de carrocerias, mas sempre com a tração traseira ou nas 4 rodas, e motores surpreendentemente eficazes contrastam com desenhos não muito harmoniosos e "babás" eletrônicas que chegam a até dirigir o carro sozinho em casos extremos. O DNA dos rallys esta presente nos carros, assim como os de competições de longa duração, provando a durabilidade dos motores turbinados modernos. Mitsubishi Lancer EVO, Subaru Impreza STI, Nissan GT-R são bons representantes desta região.

Agora podemos começar a batalha sobre qual região tem o melhor carro, os EUA com seus Muscle Cars? A Alemanha e seus sedãs apimentados? Inglaterra com seus coupés clássicos? Itália com seus "animais" furiosos? Ou o Japão com toda sua tecnologia e minúsculos motores?

1 comentários:

  1. Bela matéria!!
    E com certeza, quem tem os melhores carros do mundo na minha opinião são os alemães com seus sedãs apimentados, mas isso é questão de gosto e como muitos dizem, gosto não se discute.
    Abraço.

    ResponderExcluir