4 de ago de 2012

Teste Drive Porsche Cayenne Turbo

No inicio da década de 2000 a Porsche anunciou o lançamento do seu primeiro SUV, fato que revoltou grande parte do fans da marca alemã. Tal revolta deve-se ao fato da montadora, até então, fabricar somente carros de alto desempenho com a carroceria coupé ou conversível com somente 2 lugares e seguindo a tradição herdada das pistas, onde a marca já colecionava centenas de títulos e inovações tecnológicas.



O lançamento do Cayenne foi um grande sucesso, surpreendendo até mesmo as melhores previsões da montadora, e logo o modelo chegou a ser o Porsche mais vendido em todo o mundo. A demanda pelo novo “gigante” foi muito grande que logo a Porsche começou a criar novas versões como a S, GTS, Turbo, Turbo S, entre outras. Sem duvida a versão mais completa, a Turbo S tem um desempenho fenomenal quando paramos para pensar em um carro que chega a beirar as 2 toneladas. Particularmente eu não conseguia “engolir” muito esse modelo da Porsche, mas depois de um belo Teste Drive ao volante de um Cayenne Turbo 2012 comecei a ver o carro com outros olhos.


Logo que entrei na sala de estar, digo no carro, fiquei abismado com a quantidade de botões e de visores com informações. Após 5 minutos regulando tudo e preparando psicologicamente para engatar a marcha ré e sair da garagem, afinal o carro conta com dimensões bem avantajadas – mas nada que os sensores não ajudem a superar os obstáculos. Finalmente estava com o carro em movimento em meio as “estreitas” ruas de Belo Horizonte e com mais de 500 cavalos logo a minha frente e sob o comando dos meus pés.

 Câmbio na posição D e o carro tem um comportamento de um sedan de luxo, muito conforto, pouco barulho e sem nenhum tranco ou emoção. Mudo a posição para o manual, ativo o modo Sport e desligo o controle de tração, agora sim o carro mostra a força do seu V8 Bi-turbo e seu belo conjunto de tração/suspensão/freios. Uma leve acelerada e já sou arremessado com as costas no excelente banco semi-concha com milhares de ajustes e acabamento impecável.



No trajeto urbano o carro surpreende pela sua facilidade de manobra, direção muito leve e macia, respostas rápidas em situações como a abertura de sinais em ladeiras, até mesmo uma baliza é feita com certa calma com auxilio dos sensores espalhados por todo carro e pela câmera de ré que projeta a visão no belo visor no centro do console central. O ponto fraco do “gigante” é a dificuldade e encontrar vagas com seu tamanho e transitar em ruas de bairros onde existem carros parados nos 2 sentidos, o sensores acabam atrapalhando nessas situações – na primeira rua “apertada” pensei que tinha ativado o modo de emergência, nunca tinha visto tantas luzes piscando e alertas sonoros juntos.



Já na estrada e com belas retas pela frente conseguir desfrutar do conjunto mecânico do Porsche, em um piscar de olhos o ponteiro já beira a marca dos 120 km/h e o conta-giros teima em ultrapassar os 7 mil giros. Na opção de troca de marchas automática a troca é feita prematuramente aos 6 mil giros, já na opção manual é necessário um cuidado extra – o motor sobe o giro muito rápido após os 3 mil giros (faixa em que os 2 turbos “entram”) e o câmbio, que conta com 8 velocidades, não realiza trocas até que você ordene utilizando as borboletas ou a própria alavanca de trocas, prepare para alguns trancos devido ao “corte do giro” até acostumar com a demora para a troca da marcha.


Em linha reta o carro é muito seguro e estável, facilmente consegue atingir velocidades acima das permitidas. As curvas não são tão problemáticas para o Cayenne, mas não exagere também, lembre-se que estamos em um SUV e capotar em curvas é uma triste constante para este tipo de veículo. Com todos os sistemas eletrônicos ativados, principalmente o controle de tração, as estradas mais sinuosas são contornadas com certa facilidade, desligue tudo e prepare-se para algumas correções ao volante.


O carro conta com um sistema de freios bem eficientes, capaz de segurar toda a massa em altas velocidades sem grandes sustos. Apesar de contar com rodas aro 21, a suspensão consegue suavizar os impactos e proporciona um rodar confortável pelas precárias vias brasileiras. Falando na suspensão, ela possui 3 ajustes bem distintos que levam o carro do conforto absoluto a dureza “aceitável” – tudo com um simples toque em uma chave localizada no gigantesco console central.



O carro é repleto de mimos para o motorista e passageiros, algo que chamou a atenção foi a qualidade do sistema multimídia com um som de altíssima qualidade e muito bem distribuído. Tanto para quem vai ao volante quanto para os passageiros o Porsche Cayenne Turbo não fica devendo em nada no quesito conforto/segurança, o único defeito é seu câmbio com as lentas trocas no modo manual que chegam a irritar em certas situações.


Minha opinião sobre o “grande” Porsche mudou totalmente, tanto que quando fui devolver o carro ao seu proprietário (agradeço desde já pela oportunidade e pela confiança) fiquei com aquela sensação de quero mais. Infelizmente ainda não tenho os 550 mil reias para adquirir um, mas o modelo tem um lugar reservado na minha garagem – afinal tenho que ter um carro para fazer alguns “fretes” e carregar materiais com dimensões avantajadas.


Ficha Técnica
Motor: Diant., long., biturbo, V8, 32V
Cilindrada: 4 806 cm3
Diâmetro x curso: 96 x 83 mm
Taxa de compressão: 10,5:1
Potência: 500 cv
Torque: 71,4 mkgf
Câmbio: Aut. seq. / 8 marchas / tração integral
Dimensões: Comprimento/entre-eixos/Altura/largura (cm); 485 / 290 / 170 / 194
Peso: 2 170
Peso/potência: 4,34
Peso/torque: 30,39
Porta-malas/caçamba: 670
Tanque: 100
Suspensão dianteira: ativa, braços duplos transversais
Suspensão traseira: ativa, multilink
Freios: discos ventilados
Direção: hidráulica / 2,7 voltas
Pneus: 295/35 R21
Consumo urbano: 6,4
Consumo rodoviário: 9,6
0 a 100 km/h: 5,3
0 a 1000 m: 24,2
Retomada 40 a 80 em 3ª (ou D): 2,4
Retomada 60 a 100 em 4ª (ou D): 2,6
Retomada 80 a 120 em 5ª (ou D): 3,2
Velocidade máxima: 258
Frenagem: 120/80/60 km/h a 0 (m); 52,9 / 23,5 / 14,3
Ruído interno 1ª rpm máx: 68,1
Ruído interno 80 / 120 km/h: 56,3 / 63,1

2 comentários: