27 de mai de 2011

Modernos x Clássicos


No mundo dos automóveis existe uma certa divisão de grupos, os que idolatram os carros mais modernos e os que fazem de tudo pelos modelos antigos, chamados de clássicos. Felizmente existem pessoas que sabem admirar o que a de melhor dos dois universos, o que teoricamente seria o mais racional, mas a paixão por automóveis ultrapassa a barreira do racional/irracional.
Vamos explicar o conceito de clássico antes de aprofundar a discursão. Um carro clássico é aquele que tem algum significado histórico, para a marca que o fabricou ou para a história mundial (exemplo do Lamborghini Miura que foi o 1º superesportivo a ter um motor central). Carros com produção limitada ou que foram estrelas de filmes de Hollywood em décadas passadas também merecem o titulo de clássicos.

Proprietários dos carros históricos tem um grande cuidado com suas preciosidades, chegando até mesmo a gastar grandes fortunas para a manutenção do estado original da máquina. Como os veículos apresentam uma idade já avançada, novas peças são raras de serem encontradas, quando encontradas apresentam um preço bastante inflacionado.

Devido ao alto custo de manutenção e da dificuldade em reparos os modelos mais antigos trafegam com todo cuidado por nossas ruas. Raramente conseguimos ver uma dessas máquinas acelerando com toda sua potência disponível, afinal a precaução aqui ajuda a manter tudo intacto.

Já os carros modernos são utilizados com mais liberdade, pois encontrar novas peças e até mesmo um modelo idêntico não é algo difícil. Os donos dos carros modernos tem muito cuidado com suas máquinas também, mas grande parte deles gosta de aproveitar ao máximo o seu bólido, chegando até a participarem dos tradicionais track days pelo Brasil todo.

Grande parte das discursões entre modernos x clássicos é baseada na própria história das marcas, como por exemplo, a inclusão da eletrônica em um modelo mais recente, a mudança do desenho, etc. O cuidado com as máquinas também costuma ser tema das conversas, mas cada proprietário, geralmente, tem noção dos cuidados que o carro demanda e faz o possível para mantê-lo sempre em ordem.

Sem o sucesso dos clássicos quando os mesmos eram modernos, dificilmente eles seriam lembrados atualmente. O mesmo acontece com os modernos de hoje, e o ciclo vai continuar se repetindo por um tempo indeterminado.

Para os amantes das máquinas sobre quatro rodas o mais importante é ver representantes de todas as gerações, em um bom estado de conservação, transitando sem nenhum problema pelas ruas.
 

2 comentários:

  1. Que grande alegria eu tive quando, que por acidente, eu me deparei com estes jovens tão apaixonados e dedicados pelos automóveis e principalmente aqui de Belo Horizonte. O trabalho de vocês é fino e duro de fazer! Os textos são agradáveis e pertinentes de pessoas abertas e dispostas a estarem descobrindo mais e mostrando mais. Eu particularmente acho que, mais do que mostrar os belos automóveis que BH possui, o blog de você mostra por um lado socioeconômico; um retrato de uma fatia do nosso povo que são as suas predileções em termos de automóveis e seu poder aquisitivo. É muito aclamado o poderio de São Paulo e toda a sua riqueza. Vocês com um trabalho determinado mostram que BH tem o seu poder e máquinas deslumbrantes passeiam por aqui também. Vida longa ao BH Exotics!

    ResponderExcluir
  2. Agradecemos aos elogios anônimo. Nosso trabalho é focado nos carros exóticos de BH, mas nãp necessariamente nos mais caros. já publicamos fotos de carros como o Opala e Maverick, que não são tão fora da realidade dos brasileiros.
    Continue acompanhando o site
    abraços

    ResponderExcluir