23 de jan de 2011

Test Drive: Bravo x Focus

Cansado daqueles reviews que se preocupam em dizer que "falta o cinto de três pontas e apoio de cabeça para o quinto passageiro", que "a ausência do banco bipartido pode atrapalhar as mudanças", ou mesmo que "o porta malas tem 20 litros a menos que o concorrente" e se esquecem de falar o que realmente importa e o que sentimos nos carros? Pois é, nós do BH-Exotics também estamos e pretendemos mudar isso e começaremos agora com Focus vs Bravo!
A aproximadamente um mês fomos conhecer o Bravo, o atendimento foi razoavelmente rápido, a vendedora logo nos informou da impossibilidade do test drive sem hora marcada em dias de semana, mas pudemos ver o carro. Na semana seguinte uma "vendedora" (não é bem uma, mas não sei o que ela é) passou a me acordar todo dia de manhã me perguntando quando eu ia fazer o test drive, de certo modo o interesse dela era legal, mas a insistência e o horário que ela me ligava (não que seja culpa dela eu acordar nas férias as 2 da tarde) acabaram me estressando bastante.

Durante os finais de semana seguinte demos algumas passadas na FIAT para tentar o test drive, mas sempre bem lotado (fila de pelo menos 4 pessoas), até que nesse ultimo final de semana após uma fila de 3 pessoas e 45 minutos de espera conseguimos ir andar no carro, tudo devido a ter apenas UMA unidade de test drive e UM acompanhante para TODOS os carros.
O nosso acompanhante não era vendedor e não sabia praticamente NADA do carro, só como ligava a direção elétrica e mexia nos retrovisores... mas bem vamos ao carro, o modelo testado foi um 1.8 Essence manual (modelo de entrada).

Logo na saída já dava pra perceber as diferenças do FIAT pro FORD, os pedais do FIAT são bem mais macios, o que por um lado alivia o esforço na embreagem acaba dificultando a frenagem já que qualquer toquinho no freio faz o carro soltar uma âncora no chão. A direção elétrica é leve, mas leve até demais, o volante chega a ficar bambo na sua mão, ainda bem que ela desliga automaticamente acima de 45 km/h, pois ficaria muito perigoso em altas velocidades.
Acelerando o carro de primeira até me animei parecia que o E-Torq ia surpreender, ai eu passei pra segunda marcha... desculpe não ter palavras melhores pra expressar meu sentimento mas o carro SIMPLESMENTE BROCHA, ele PARA, não desenvolve NADA, meu Focus 1.6 de terceira tem mais vigor! Mas sejamos justos, em marchas mais altas você sente que ele mantem um torque razoável tornando-se "legalzinho" pra cidade.

Na hora que estávamos em direção a BR e eu já começava a abrir um sorriso o acompanhante fala "pode fazer o retorno ali a sua esquerda", perguntei se não poderia ir na BR pra sentir o carro, recebi um simples "pode não moço".

*Pausa para reflexão*

Em todos os test drives que fizemos na Raja anteriormente, BMW X1, Audi A1 e Chery Cielo não só nos deixaram pegar estrada como INCENTIVARAM a pegar e sempre ouvia "Pisa mais!", como assim eu não posso levar o Bravo pra lá?! FIAT não quer vender o carro não?!

*Continuemos*

Depois de brochar mais algumas vezes o carro de segunda pra garantir que era verdade mesmo o que eu estava sentido, resolvi testar a suspensão e estabilidade do carro, fiz uma mudança de faixa mais brusca e o carro se manteve bem, mas senti falta de algo, no segundo teste, fazendo um pequeno retorno mais animado (que acabou em uma cantada de pneu prematura pro meu gosto) descobri o que era: cadê a suspensão traseira trabalhando? Ao sair do carro Diogo me confirmou o pior: o carro tem EIXO DE TORÇÃO na traseira! Como assim concorrente de i30 e Focus (ambos Multi-Link) tem EIXO DE TORÇÃO?!?!
No mais o que você precisa saber é que o acabamento é razoável, mas peca em rebarbas em alguns locais menos visíveis, os bancos são bem confortáveis e a posição de dirigir é gostosa, a tela multimídia também é legal (vimos no salão do automóvel), na minha opnião o design não tem nada de bravo (parece mais uma coisa "fofinha") e essa brochada de segunda junto da suspensão acabam com o carro.

Bem vamos falar do Focus agora né? Fomos na concessionária e ficamos 15 minutos na recepção, fomos ignorados por pelo menos 2 vendedores até que resolvi ir fuçar o GHIA, só fomos atendidos por um velhinho lá provavelmente porque ele achou que iríamos quebrar alguma coisa. Avisei que queria fazer um test drive num 2.0 manual, estou esperando a ligação deles até hoje..... mas felizmente minha tia comprou essa semana um Focus GLX 2.0.

Meu primo me convidou para o test drive, cheguei lá e o carro estava com apenas 35 km no hodômetro, o banco de couro realmente deu uma melhorada de 500% no aspecto do interior do GLX que peca bastante no acabamento das portas.

De início fui tocando devagar o carro é realmente bem confortável, dá pra perceber que ele é bem mais gordinho (tanto de tamanho quanto peso) que o old, roda sem barulhos absorvendo bem as imperfeições da pista, o som também é bem legal, os comandos de voz incrivelmente não erraram NENHUMA vez =D.
O motor de inicio decepcionou bastante, claro, com 35 km rodados tá lonnnnnnnge de estar amaciado, mas do jeito que ele estava e com o cambio automático de 4 marchas ele parecia não puxar quase nada a mais que o meu 1.6 Rocam e a Fielder (1.8 que eu fui dirigindo pra ver o carro) parecia um foguete. Reza a lenda que até 5000 km ele é "limitado eletronicamente" para evitar danos ao motor, quando eu testar um que passou dessa quilometragem conto pra vocês se muda algo.

Eu estou acostumado com a piada do câmbio de 4 marchas sem Tiptronic da Fielder, o do Focus não é muito melhor, só tem o Tiptronic de vantagem mas ainda sim achei lenta as trocas, e 4 marchas é muito pouco pra esse carro, se você parar pra pensar pagar 70 e pouco mil no Ghia/Titanium sendo que o Audi A1 por 89 mil tem um câmbio de dupla embreagem de 7 marchas acaba parecendo uma piada...Mas vale ressaltar que gostei da falta de frescura dele para engatar a primeira marcha, coisa que o Azera no Tiptronic não gosta muito.
Os bancos dão um banho no old Focus, bem macios e confortáveis. Já a tradução do computador de bordo é piada né? Pelo que me contaram é português de Portugal, mas não estamos na Europa né?

Dos modos de direção achei que o conforto poderia ser bem mais macio, mas gostei da dose de dureza do "sport".

Fiz uma curva bem rápida que descia depois subia, o carro durante a curva se comportou maravilhosamente como era de se esperar (Multi-Link forever!), mas quando sai dela ele deu uma balançada, (provavelmente asfalto ruim) que assustou um pouco, parecia que ia perder o carro mas ele se manteve reto.

No mais na configuração que ele pegou achei bem mais razoável a compra do GLX que peca em acabamento mas com o banco de couro e os mimos todos incluindo ligar o motor no botão dão uma melhorada boa.
Digo que apesar dos seus defeitos eu sai do carro com um sorriso de uma orelha a outra, pois ele é simplesmente divertido e gostoso de dirigir seja em baixas ou em altas velocidades, é uma coisa que não se encontra em nenhum carro que custe menos que o dobro do preço do Focus, é simplesmente incrível e inexplicável. Não entendeu? Vá fazer um test drive!

Veredito: O Bravo tem os opcionais legais da FIAT como Sky Window e a Central Multimídia, mas além de custar uma fortuna o carro acaba pecando na suspensão e câmbio. O Focus é um compra mais razoável, mas prepare-se para ser mal atendido e se possível compre um manual!

*Fotos garimpadas da internet, pois em ambos os test drives estavamos sem câmeras e/ou um dos nosso fotógrafos decentes, pedimos desculpas por isso.
**Sugestões e/ou Reclamações? Comentem, vocês não tem ideia do quanto isso é importante pra gente!

1 comentários: