30 de set de 2010

Test Drive – Mini Cooper S

Quem disse que carros compactos são chatos de dirigir, com certeza não teve a oportunidade de conduzir um Mini Cooper S. Com certeza o tamanho não é documento, ao menos no mundo automobilístico, e o pequeno inglês mostra que não tem medo de enfrentar carros maiores, como um Audi S3 ou uma BMW 335I.
Mini Cooper S com "Body Kit"


No último sábado, durante o evento “Test Cooper”, tive a oportunidade de dirigir um modelo da Mini. O escolhido foi um modelo Cooper S “coupe” com um body kit que me agradou muito, trocaria somente a cor do carro, acho que um preto com listras cinza ficaria melhor. O pocket rocket(foguete de bolso) conta com um motor de 1.6 litros, com turbo, que gera cerca de 177 cavalos, lembrando que o carro pesa só 1.300 quilos.
Coração turbinado
Felizmente o test drive incluía um bom trecho de Br, logo tive a oportunidade de ver do que o Cooper era capaz. Em baixas velocidade é um carro muito confortável, direção muito leve, acelerador responde rápido quando exigido, freios bons, lembra até uma BMW. Já em altas velocidade, e com o botão S acionado(tal botão desliga a Babá eletrônica do carro), o Mini mostra seu poder. 0 a 100 km/h em 7,7 segundos, continue acelerando e chegará a máxima de 217km/h, isso tudo em um carro com uma dirigibilidade que lembra muito a de um kart. Curvas não são problemas, devido ao seu entre eixo curto e tração dianteira, basta aponta-lo para a tangencia correta e acelerar com tudo(certificando que a velocidade não esteja acima das leis da física!)
Apenas 3,6 m de comprimento e 1,68 de largura

O interior mescla o moderno com o clássico, fazendo uma alusão aos primeiros Minis da década de 50. Comando básicos sempre próximos do volante, porém um defeito, ao menos para mim, foram as aletas de marcha no volante com um tamanho bem reduzido em comparação aos demais modelos. Em curvas fechadas o motorista fica sem o contato dos dedos na borboleta, em um carro com intuito esportivo isso é grave. O painel também não é muito bem planejado, o velocímetro fica no centro do carro, ou o motorista vê a velocidade ou olha para frente (complicado, não?!). A versão “pilotada” possuía câmbio automático, o indicador de marcha no painel foi outro problema. Difícil visualização e o bichinho não engatava a primeira marcha nem por decreto.
A pequena "borboleta" chega a irritar
Por fora o Mini ainda carrega seus traços marcantes da década de seu lançamento, faróis arredondados na dianteira com uma grade ao meio, lembrado um sorriso invertido. Lateral bem lisa, contanto apenas com um detalhe da saída de ar do motor e as belas rodas que pode ter desenhos e cores diferente, fica a escolha do dono, como muita coisa no carro. A traseira, assim como a dianteira, é muito parecida com os antigos Minis, mas o que chama a atenção na versão S são as ponteiras duplas de escapamento centralizadas(que produzem um ronco gostoso em altas rotações.)
Detalhe da dupla saída de escapamento
Uma inovação introduzida pela Mini no mercado automobilístico, foi a oportunidade dos compradores personalizarem seus carros em quase todos os detalhes. É possível escolher, além da versão do motor, a cor dos bancos, modelo das rodas, cor das rodas, detalhes como bandeiras de países no teto ou onde mais for possível. Praticamente não existe um Mini igual a outro, o que torna o modelo “exclusivo”.
Velocímetro nada prático
 Custando, a partir de 90 mil reais e podendo passar da casa dos 130 mil reais(com os opcionais), o pocket rocket tem um público alvo bem heterogêneo. Podemos ver em nossas ruas tal fato, senhoras dirigindo pacatamente um Mini S e jovens com uma versão mais em conta. O Cooper tem como principais concorrentes o Audi A3, os Mercedes Classe A e B e Volvo C30, todos do segmento premium, além do VW New Beetle, Chrysler PT Cruiser, Alfa 147 e Smart.
Alguns dos modelos da Mini

O pequeno inglês é um carro bastante divertido e confortável, porém seu preço é um pouco alto para os padrões do Brasil. Sua altura não ajuda em ruas esburacadas, assim como a suspensão. E provavelmente suas peças de reposição não devem ser baratas. Mas caso nada disso seja problema para você, vá logo comprar seu Cooper. Caso queira algo mais divertido que a versão S, espera até Novembro, quando chega a versão mais apimentada, chamada de John Cooper Works com 211 cavalos!
Cooper Apimentado! 

2 comentários:

  1. Mto bom o texto.... Deu até vontade de ter um, hehe
    Quem sabe quando o Classe B realmente sair de linha como disseram, este seja meu novo ItCar!! A propósito escreve sobre o Classe B, ele é perfeito!!

    ResponderExcluir
  2. De fato é um carrinho bem divertido, xinguei ele pro papito e queimei minha lingua =]

    ResponderExcluir